Cícero, denunciando Catilina no Senado

Cícero, denunciando Catilina no Senado

15 outubro, 2007

Contra ataque 1

Andando este blogue mais morto que vivo (os escribas trabalham...), tinha pensado em escrever qualquer coisita, decisão facilitada pela circunstância de esse sinistro personagem que dá pelo nome de Catalina Pestana se ter posto mesmo a jeito, intrépida, com um súbito e significativo agravamento dos dislates que continuadamente gera. Porém, acontecimentos de última hora, ocorridos no fim-de-semana, reforçando-me embora o propósito de escrever umas linhas, desviaram-me do alvo. Há coisas de longe mais importantes do que a Catalina Pestana e a fauna subaquática (qualquer dos seus espécimes) é uma delas. First things first e, vai daí, lanço agora a primeira resposta ao ataque do Tortor, notando que não foi preciso recorrer ao arquivo fotográfico.

Dia 14 de Outubro de 2007; algures defronte da povoação de Água d'Alto, a cerca de 300 m da costa; 12.00 h; já com algumas garoupas (Serranaus atricauda) e lírios (Seriola dumeriili) no activo, este vosso Kzar voga em mar chão, arma em estado de prontidão e olhar pregado na profundeza, a cerca de 15 m; o dia é de rara visibilidade, distinguem-se as pedrinhas todas do fundo e eis que lá bem em baixo um bicho de porte avantajado se faz notar com movimento coleante e súbito; uma precipitada inspiração, um mergulho vertical e o olhar fixo no alvo; a meio caminho está identificada cabalmente a presa, a qual, já inquieta, começa a contornar uma rocha de dimensão apreciável; calmo, o caçador muda de direcção, abordando o mesmo penedo pelo lado oposto; chegado ao fundo pára, aponta para o nada seguinte à rocha e aguarda; obra de alguns segundos e o belo exemplar de Bodianus scrofa (viola ou peixe-cão, para os amigos) acima representado mostra-se, rutilante, em reverberações de verde, amarelo e vermelho (fora de água só esta última cor se revela); tendo considerado este vosso Kzar, com olho vivo, o animalejo ainda esboçou a fuga, mas o arpão foi mais rápido a trespassá-lo pelas guelras - precisão absoluta que os escassos dois ou três metros impunham; uma nuvem de sangue na água, dois ou três puxões fortes mas breves e o bicho já estava a vir para cima, de arrasto; na caixa do barco ainda espadanou dez minutitos e a seguir finou-se. Cerca de 4,5 a 5 quilos de peixe num só bicho (os outros não têm história que se conte, mas por junto a manhã de faina rendeu cerca de doze quilos de pescado), o qual agora que reparo nisso até é parecido com a Catalina Pestana e tem a vantagem de não falar - Deus escreve direito por linhas tortas.

11 comentários:

Zé Dias da Silva disse...

Estou a ver que trabalhas bem com o photoshop; se calhar melhor do que com o arpão.
Mas está bonita a fotografia.

Tortor disse...

É impressão minha ou já vi este peixito empalhado no Museu Carlos Machado?

Anónimo disse...

Este duelo de titãs subaquáticos, quiçá escamoteando uma pulsão viril pela posição de macho alfa dominante do Atlântico, não tem terminus anunciado ! Presumo que só findará quando caçarem o Moby Dick, o Kraken ou algo similar.
Rubem Lúbrico

PC disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
PC disse...

Ena!

caro Kzar, estava a rever uns posts antigos e vi que há uns meses me deixou uma mensagem a dizer que me tinha enviado um e-mail, para eventuais futuras chacinas conjuntas nos Açores.
A verdade é que esse e-mail nunca chegou. Verifique bem o endereço: lobosdomar2@gmail.com.
(Homem! Este vermelhão deixou-me de unhas roídas...)
Cordialmente, e grato,
PC

Anónimo disse...

Estes exemplares de plástico vendem-se nas lojas chinesas a 20 cêntimos cada caixa que traz dois. Haja decência.
Artolas Olho-Vivo

Anónimo disse...

Oh Kzar dos mares, se se carregar no lombo o bicho canta como aquele q aparece nos Sopranos?

Kzar disse...

Cambada de invejosos! Queriam!
Um peixe assim não é qualquer um que apanha, é preciso andar muito pelos mares, mergulhar muita vez, até que um dia, lá aparece, a jeito de se lhe dar com o arpão - e é preciso ser capaz de vê-lo e de ir lá abaixo dar-lhe, sem o bicho fugir... Roam-se, que a vossa mal disfarçada inveja não me atinge nem belisca a satisfação da caça.

Vita Actica disse...

:)

Anónimo disse...

Só apanhas peixinhos de aquário que vêm beliscar o arpão?

José Silva ® disse...

Estás de parabens.
Belo peixe.
Que venham mais desses, e maiores hehe
um abraço e continuaçao d boas caçadas.

http://bluewateremotions.blogspot.com