Cícero, denunciando Catilina no Senado

Cícero, denunciando Catilina no Senado

14 maio, 2007

Verga-te Aldous

Rosalie, mulher determinada, ruminava constantemente. Dizia que tinha que ver com a ascendência. Que o avô era um homem campal, que dedicara muito do seu tempo ao bem estar das suas ovelhas neozelandesas. Rosalie coçava-se. Dizia que era por causa da sua avó, mulher peluda de nome Elrika, que vagueara pelas planícies del Valle Alto. Rosalie surpreendeu-me com os seus dotes de análise genealógica. Por cada atributo pessoal, um antecedente ancestral….primitivo. Era nesta comunhão desavergonhada com o mundo animal que a sua vida girava. Sem saber o que dizer a esta esotérica criatura optei pelo mais austero dos silêncios. Minutos antes de descer na minha paragem de camioneta, Rosalie olhou para mim e disse: Não queres aparecer no nosso acampamento amanhã? O meu primeiro impulso foi dizer não. Parei. Pensei: bolas, há meses que não consigo escrever coisa alguma…esta mulher selvagem é um poço de singularidades…imagina os amigos?! Como será esta comunidade? Isto poderá inspirar um verdadeiro tratado de excentricidades. Verga-te Aldous, que chegou a minha hora! Recorri à mais implacável e utilitária das hipocrisias e respondi: Onde fica? A que horas? Pronto. Aí está. Afinal não tinha sido assim tão difícil. Senti-me como um antropólogo audaz que, momentos antes de entrar na última comunidade de canibais da Papua Nova Guiné, sente uns trémulos avassaladores que se estendem até às mais recônditas artérias. Ao chegar ao acampamento o meu guia inútil (asmático e estúpido) informou-me que tinham sido encontradas duas cobras nos meus míseros aposentos. Uma louca hippie, um guia lunático (descendente dos Maias), medo e fominha. Perguntei-lhe se tinha morto as cobras. Ele disse que não, que a cobra era animal sagrado por aquelas bandas e que quem as matasse seria degolado pela sua tribo (a 5 kms de distancia). Assegurei-lhe rapidamente que respeitaria os costumes locais. Até disse que cobra é bichinho bonito que deve ser honrado. Tinha chegado ao zénite da tremulação. Assim, em menos de duas horas. Senti-me vitimizado pelo relativismo cultural. Pior: senti-me traído. Eu que tinha imaginado que nas montanhas da América central encontraria a liberdade do selvagem de Rousseau. Entrei relutantemente na tenda, examinei cada canto cuidadosamente e, tendo confirmado a ausência de qualquer personna non grata rastejante, apressei-me a fechar o zip. Deitei-me e tentei dormir enquanto tremia de frio e de medo. Abri o meu último chocolate e degustei-o como se tratasse do mais nobre vinho francês. Adormeci. Sono tranquilo? Claro que não. Freud, esclarecido conhecedor da psique humana, já me tinha alertado para os poderes inimagináveis do inconsciente. E assim foi. Reuni, num único pesadelo, todas as más memórias do dia que tinha findado: Eu, a correr na selva, perseguido por uma multidão furibunda de índios asmáticos, atacado por cobras voadoras que saltavam das árvores…salvo por hippies que fornicam ovelhas!? O admirável poder de condensação psíquica que Freud tinha explorado nos sofás de Viena estava a atormentar-me. Uma corrida de obstáculos no terceiro mundo. Acordei repentinamente. Suores frios deslizavam sobre a minha fronha cintilante. Maldita existência, pensava eu.

3 comentários:

ab disse...

é, numa vita activa as "condiçoes" podem diversificar bastante.Mas deixa lá que eu até com o cogito cartesiano tenho pesadelos...

vita activa disse...

eu prefiro o pesadelo ficcional... like this one :) mas não te preocupes com o ego cartesiano..

Por acaso nunha tive pesadelos com cobras e correrias. Quando estudava dividi um apt com uma amiga que tinha pesadelos recorrentes...sempre que tentava interpretá-los á lá Freud a coisa piorava porque importava ainda mais sentidos para a sua cabeça e adicionava mais confusão a uma situação...já muito confusa...Um dia começou a praticar uma coisa...puxadita... semanas depois estava muito mais bem disposta. Só falava do pontapé x que tinha dado em caramelo y, que queria praticar hiking, começar a comer uns bifes...enfim...a rapariga levantou-se sozinha e hoje está porreiraça!!!

Cumprimentos

VIta Activa

FMS disse...

Eu só estou à espera de abrir o bar (conspiracaocafebar.blogspot.com) para voltar a correr os meus 10km pela matina!